sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Divulgados Locais de provas do ENEM 2017. Click aqui:

Pessoal foram divulgados os locais de provas do ENEM 2017.
Acesse: https://enem.inep.gov.br/participante/#!/loginParticipante
Login: SEU CPF
Senha: sua senha

Segue abaixo o meu cartão de inscrição para ENEM 2017.

Lembrando que os portões abrem às 12:00h do dia 05 de novembro e 12 de novembro (ambos Domingos).
Prestem atenção ao horário de verão (HORÁRIO DE BRASÍLIA).
Não se atrasem!!!
Acompanhem www.enemconectado.blogspot.com.br

Prof Francisco Júnior.

CEDERJ - Vestibular 2018 – inscrições abertas!! Vagas no IE Sarah Kubitschek.

Faça sua inscrição,  clique aqui.
São 7.159 vagas para graduação a distância nas instituições do RJ
CEFET, UENF, UERJ, UFF, UFRJ, UFRRJ e UNIRIO
Mais uma oportunidade para quem deseja obter um diploma de nível superior em uma universidade pública. Estão abertas as inscrições para o Vestibular Cederj 2018.1, que nesta edição oferece 7.159 vagas para 15 cursos de graduação a distância nas instituições públicas de ensino superior que integram o Consórcio Cederj (CEFET, UENF, UERJ, UFF, UFRJ, UFRRJ e UNIRIO), da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj). O estudante recebe, gratuitamente, todo material didático na forma online e impressa e é avaliado em atividades presenciais (provas) e a distância, em datas e horários predeterminados.
Para concorrer a uma das vagas o interessado deve fazer o Vestibular Cederj. As inscrições devem ser realizadas pelo site www.cederj.edu.br/vestibular, mediante o pagamento de R$ 85. O modelo de ensino é semipresencial, com acompanhamento didático nos polos do Cederj localizados em 32 cidades do estado. O diploma é emitido pelas universidades consorciadas sem qualquer distinção do modelo de educação presencial.
 Provas e avaliações
As provas serão aplicadas no dia 02 de dezembro. Ao longo do curso, os alunos serão avaliados em atividades presenciais (provas nos polos) e a distância. O acompanhamento didático será feito por tutores nos polos e nas universidades consorciadas. As aulas começam no primeiro semestre de 2018. Enquanto estudam, os alunos podem tirar dúvidas pela internet ou por meio de um telefone sem custo para ligações (0800).
Edital 2018
Manual do candidato 2018-1
CRONOGRAMA – Vestibular CEDERJ 2018
Faça sua inscrição,  clique aqui.
Inscrições até 02/011/2017

Fonte: http://cederj.edu.br/vestibular/vestibular-2018/

Professores dão aula onde estudaram. Prof de matemática Marcos Assumpção do CE Pedro Álvares Cabral em Cipacabana.

Pessoal o professor Marcos Assumpção de matemática do CE Pedro Álvares Cabral, em Copacabana, cursou o seu ensino médio na Unidade Escolar e atualmente é professor de matemática com grande dedicação e carinho pelo seus alunos e compromisso com a sua escola de sua formação. Marcos é formado em matemática pela UERJ com mestrado na mesma Universidade. Um grande profissional do qual tenho a honra de trabalhar em Copacabana,

Prof Francisco Júnior.


Dia do Professor: profissionais dão aula onde estudaram

Docentes retornaram às unidades públicas para ensinar. São, aproximadamente, 70 mil que atuam em mais de 1.200 escolas públicas da Seeduc

Em 15 de outubro comemora-se o Dia do Professor. No Rio de Janeiro são, aproximadamente, 70 mil docentes que atuam em mais de 1.200 escolas públicas da Secretaria de Estado de Educação (Seeduc). Desse número, 95 unidades ofertam Curso Normal (Formação de Professores).

Nesses colégios é comum encontrar docentes que foram alunos e retornaram para trabalhar no mesmo espaço onde um dia estudaram e se formaram. São histórias de professores que voltaram às salas de aula para desempenhar o papel de ensinar. Selecionamos algumas delas.


Sonho realizado

A paixão de Patrícia Fortuna, de 48 anos, pelo magistério é antiga. Após concluir o Ginásio, que correspondia ao atual Ensino Fundamental, ela ingressou no Curso Normal. Para chegar ao Colégio Estadual Julia Kubitscheck, no centro do Rio de Janeiro, ela, que morava na ilha de Paquetá, atravessava todos os dias a Baía de Guanabara de barca, em um trajeto que durava cerca de uma hora e meia.


“Eu tinha que sair de casa às 5h30 em ponto para estar na escola às 7h. Acordava muito cedo, mas o esforço valia a pena. No Julia Kubitscheck, os professores sempre valorizaram muito a profissão, o que incentivou ainda mais minha escolha profissional”, revela a docente que, há 15 anos, leciona Disciplinas Pedagógicas na unidade escolar, que é referência na formação de professores na capital.


Para ela, exercer o papel de professora no colégio onde estudou é a concretização de um sonho.


Paixão pela profissão

“Eu sou apaixonada pela minha profissão”. Foi com essa declaração que Gilma Cardoso, do Colégio Estadual Vinte de Julho, em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos, definiu seu sentimento pelo magistério. Entre tantas histórias que coleciona em 30 anos como docente, ela se orgulha de ter, atualmente, seus ex-alunos como colegas de trabalho.


“Eles serão sempre os meus pupilos. Ontem, eram meus alunos e, hoje, estão dando aula e passando adiante tudo o que aprenderam comigo. É gratificante saber que meu trabalho influenciou esses ", derrete-se a professora, de 47 anos, que concluiu o Curso Normal, com 16 anos, no Colégio Estadual Miguel Couto, em Cabo Frio, também na Região dos Lagos.


Natural de Arraial do Cabo, Gilma passou pelo Ciep 147 – Cecílio Barros Pessoa e pelo Colégio Estadual Almirante Frederico Villar, ambos da rede estadual de ensino, antes de lecionar no Vinte de Julho, onde está há 21 anos.


“Tenho uma ótima relação com meus alunos dentro e fora da sala de aula. Tanto que, até hoje, muitos deles me ligam no meu aniversário e mandam, com frequência, recados pelas redes sociais”, conta a professora, que dá aula de Matemática.


Influência da família

A professora Lia Klimroth, do Instituto de Educação Governador Roberto Silveira, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, que foi aluna dessa escola, conta que cresceu em uma família de professores. Ela revela que uma parte dos seus parentes estudou e deu aula nesta unidade de ensino.


“Minha mãe e minha irmã trabalharam no Instituto. Quando era aluna do Curso Normal, sempre me envolvia nas atividades pedagógicas. Minha vontade era me formar, voltar e trabalhar nesta escola. Fiz o concurso, passei e estou aqui”, comenta Lia, que há sete anos atua como professora no Instituto.


Carinho dos alunos

Com mais de 30 anos de magistério, Maria Cecília Pacheco se diverte com a fama de “professora mais exigente do Curso Normal”, do Colégio Estadual Baldomero Barbará, em Barra Mansa, na Região do Médio Paraíba.


“Confesso que sou uma professora bastante exigente com os alunos, contudo, o mais gratificante é que, no final, entendem que todo o meu rigor é para o próprio benefício deles. A prova é que sempre recebo homenagens durante a formatura das turmas da 3ª série do Ensino Médio”, finaliza a professora.
Fonte: https://www.servidor.rj.gov.br/Portal-do-Servidor/usuario/Principal/detalhar.action